1947 Views |  Like

Novos ares

Depois de alguns (poucos) anos habitando o mesmo endereço, é mais comum do que se imagina os proprietários sentirem o desejo ou a necessidade de ampliar, agregar ou reinventar o projeto inicial. Principalmente em se tratando da sua primeira construção, pois é com o passar do tempo que, revendo suas escolhas e necessidades reais, distinguem o que é importante de fato, o que faltou ou o que sobrou, o que é realmente prioritário para ser acrescentado ou que supérfluo deve ser eliminado. Pode surgir, então, a necessidade de conquistar um novo espaço.

Em algumas situações bastam associações de alguns elementos, ou simples toques, para se chegar ao resultado desejado, sem que a intervenção seja muito cara – como exemplos, destacar uma parede usando um tom de tinta quente contrastando com as demais, aplicar papel ou vinil decorativo, instalar um painel de MDF com ripas de diferentes larguras em relevo; adquirir uma luminária de piso: a iluminação pode dar um efeito super agradável; trocar o tecido das almofadas…

Em outras, inclui quebra-quebra ou nova construção.

Nas reuniões com o profissional que irá acompanhá-los na reforma é fundamental colocar seus anseios. Ele fará uma avaliação das áreas já existentes, viabilizando a inclusão do novo, numa parceria criativa e harmônica.

Foi o que aconteceu com o casal Flávio e Carolina. Morando há quatro anos na casa que construíram, embora se sentindo bem instalados, Flávio percebeu a necessidade de criar um “canto” para chamar de seu, que imprimisse a idéia de um ambiente masculino, informal e marcante. Queria ampliar, para acolher os amigos.

A casa, localizada num condomínio de alto padrão cujas regras para construção são rígidas, está a cerca de 3 metros acima do nível da calçada, mantendo um recuo de aproximadamente 10 metros da frente, proporcionando uma bela vista panorâmica de uma mata preservada.

Como a área de lazer (nos fundos) já estava comprometida com o espelho d’água, um agradável pergolado e um belo paisagismo, a solução foi criar um espaço de convivência na frente da casa. Era preciso enxergar o cenário prevendo uma perspectiva diferenciada. A sugestão foi não perder a paisagem, privilegiando a integração dos espaços, prolongando a varanda ao incorporar a nova área social e, ao mesmo tempo, continuar seguindo o perfil arquitetônico da região. Foi construído um “deck” lançando mão de elementos naturais, suspenso na frente da casa, apoiado em colunas e vigas de ipê e jatobá, madeiras próprias para esta finalidade, pois suportam a exposição ao ar livre. O mesmo material foi usado como guarda-corpo e o assoalho de ripas largas completa o ambiente. A cobertura e o beiral foram feitos com telhas cerâmicas.

Para preservar a privacidade, em um dos lados foi instalada uma treliça também de madeira. Para pilotar os drinques, que ganham um toque especial do proprietário, um balcão de alvenaria revestido com Kronotex (laminado de madeira) foi criado em frente da bancada da pia, ambos com o mesmo tipo de granito na parte superior. Churrasqueira e forno de pizza convivem lado a lado.

Predominando o interior dinâmico, agradável e despojado – com leve ar de anarquia, as mesinhas, também de madeira, dão um charme e um autêntico caráter de bar ao local.

Guacira Lotufo Bonafé